Os brancos ficam! / I'm keeping it gray!

Atualizado: Abr 21

PORT: Tenho cabelos brancos desde os 14 anos. É genético. Já sabendo da história de minha mãe, que ganhou sua mecha frontal prateada aos 17 anos, eu confesso ter esperado ansiosamente a minha chegar! Eu tinha certeza que seria uma adolescente com uma mecha branca cacheada, estrategicamente jogada para o lado direito... Mas não foi bem assim! No lugar de uma mecha, 60% do meu couro cabeludo começou a nascer branquinho, tornei-me uma grisalha na puberdade! Decepcionada mas não muito abalada - adolescente, amores, adolescente! - comprei com a minha mesada uma caixinha de tinta para cabelos na cor castanho escuro e fui num salão modesto aqui próximo de casa. Um rapaz me atendeu e eu disse: "Passa essa caixinha toda aqui no cabelo!" - muito me surpreende lembrar que eu fui num salão para pintar meus cabelos, eu sempre fui muito de fazer as coisas eu mesma... Devo ter pensado que, se fosse num salão onde a chance de dar errado seria menor, a bronca de minha mãe também seria. Não foi. Meus cabelos naturais são castanhos, castanho médio para ser mais precisa. De castanho escuro fui para o acaju, para o preto, para o preto azulado, tira tudo e volta castanho, castanho com mechas loiras (grossas, praticamente um listrado de zebra, obra de uma cabeleireira tunisiana que prometo detalhar num próximo texto, vai valer cada linha!), voltei para o preto, descolore tudo e vai para o chocolate e do chocolate para o vermelho alaranjado; seguimos a história com um tom meio mel/guaraná (amava este tom mas minha conta bancária, não!) e por fim, voltei para o preto. Ufa! No ano de 2016 engravidei. Parei de pintar. Ao final da gravidez e devido a uma promessa, fiquei mais um ano com os cabelos sem pintar, chegando em 27/03/2017 com um cabelo "quase channel" grisalho. A idéia era fazer um corte chanel e terminar de descolorir o que sobrara, me deixando completamente branquinha porém, pitacos aqui, comentários ali... Decidi que não! Segue o bonde da coloração! 10/04/2020, semana passada, decidi que não mais pintarei meus cabelos. O que eu quero dizer com este texto de uma mulher escrava de kits "pinte em casa" é: isto faz parte do meu processo atual e eu estou abrançando-o.

Se você está lendo isso e me deu um conselho do tipo: "pinta, você ainda é muito jovem para assumir o branco", calma... Eu gosto de você, te adoro, te amo (dependendo da nossa história), nada vai mudar! Mas você vai ter que gostar de mim mesmo assim, entende? Talvez não fique bonito, talvez eu fique ainda mais fora do padrão (do que já sou)... Tenho mais pelo menos uns 3 talvez-es para acrescentar mas vou pular para o último: talvez fique tudo bem! Tenho vaidades mais urgentes como manicure, fazer a sobrancelha, me maquiar, perfumes, roupas bem lisas (de estampa e de ferro), café com leite em abundância para citar algumas - vaidades estas que hoje posso me conceder, ainda existe a lista das que ainda não posso... AINDA! Já fiz uma lista de coisas que posso comprar com o dinheiro das tintas, ou o quanto posso poupar! Lembrei de minha avó agora, Dona Dija (Dejanira)... Minha infância teve muitas cores - inclusive a 8.3 da L'oreal, o loiro dela! Sempre pedia para pintar suas raízes e ela nunca deixava - pessoa responsável foi minha querida avó! Gastando ou economizando, finalizo este relato pessoal e talvez, fútil, poeticamente concluindo que... o futuro é prata! Os brancos ficam!

ENG: I have gray hair since I was 14. Genetics.

Knowing of my mother, who got her silver bangs at 17, I admit I was eager to get my own!

I was absolutely sure I was going to be a tennager with a white strand of curly hair, strategically parted to the right side...but it wasn’t quite like that.


Instead of a strand, or bangs, 60% of my scalp started growing white hair, and I became gray-haired during puberty! Disappointed, but not exactly shaken - teenagers... - I bought some dark brown hair dye with my allowance and went to a salon nearby. I remember the hairstylist was a guy and I told him: “Use all of this bottle in my hair!” - today it sounds really weird to me that I actually went to a hair salon in order to dye my hair. I always had this kinda DIY vibe... I must have thought that if I went to a salon, chances of things going south would be smaller and so would my mother’s wrath.

Turns out it wasn’t.

I’m originally a brunette, medium-brown to be more precise.

From dark brown I went to auburn, and then black, and then bluish black, took it all off...back to brown, brown with highlights (really thick ones, mainly zebra stripes, the work of a Tunisian hairdresser which I promise to tell in detail in another journal, it will be worth every line!), back to black, bleach all of it and went for warm chocolate and from chocolate to a ginger tone; and we follow through with kind of a hazel/honey colored thing (I used to love it, however my bank account didn’t!) and, finally, back to black again. Phew!

In 2016 I got pregnant and stopped dying my hair. By the end of my pregnancy, and also because of a vow I took, I kept my grays for another year, and got to 03/27/2017 with a “sort-of-channel” style. The goal was in fact to have a chanel haircut and bleaching out whatever brown hair I had left, keeping my full silver crown. However, I heard a few suggestions here, and other comments over there and decided to postpone the silver crown. Let the dying continue!

Last week, April 10th, 2020, to be more precise, I decided I will not be dying my hair anymore. I guess what I’m trying to say here, in this tale of a woman completely enslaved by “dye at home” kits is that: This is my current process and I am embracing it! If you’re reading this and you’re one of the people who told me: "Dye your hair! You’re too young to be gray!”, take it easy! I like you, I adore you, I LOVE you (depending on our history, of course). Nothing's gonna change! But you will have to accept this part of me, okay?


Maybe it won’t look pretty, maybe I’ll be off-standards (more than I already am)...There are at least a few other “maybes” I could add here, but I’ll skip to the last one: maybe it will be alright!

I have more pressing and important interests like manicure, eyebrows, perfumes, ironed plain clothes, my beloved coffee with milk... Just to mention a few! And these are the vanities and pampering - should I say self priorities?! - I want to grant myself at the moment!


I’ve already made a list of stuff I could buy with the money I used to spend on my dye kit or not, just save it! This talk reminds me of my grandma, Ms Dija (Dejanira). My childhood had many colors - including 8.3 L’oreal - her blonde! I’d always ask her to let me retouch her roots and she’d never allow me to. What a responsible person my dear grandmother was!


Either saving or spending, to finish this apparently superficial personal account, I’d like to state - poetically - that the future has a silver lining! I’m keeping the gray!


Tradução: Anaíse Nóbrega Foto: Emilson da Silva.

738 visualizações

Posts recentes

Ver tudo