Página 8 / Page 8

Atualizado: Jun 7

Junho de 2006. A exatos quinze anos atrás, eu estava dançando no Marriott Dubai quando o jornal The Emirates Evening Post pediu para me entrevistar. Uma página inteira minha, a página 8 para ser mais precisa, numa publicação dos Emirados Árabes, contando minha história e expondo meu ponto de vista sobre a Dança do Ventre naquela época. Eu lembro bem de quando fui chamada pelo gerente do hotel e avisada sobre a possibilidade da entrevista e se eu gostaria de participar, aceitei na mesma hora. A entrevista aconteceu no área comum do JW Marriott Dubai num meio de tarde, eu vestia uma calça verde musgo e uma blusa roxa bem decotada que eu adorava e estava nervosa. A jornalista responsável era Veena Kuruvilla - inteligente, gentil e muito respeitosa com minha história. Me fez inúmeras perguntas, gravou tudo e me avisou que todo aquele material era ótimo e que em breve, a entrevista seria publicada.

Quando o gerente me chamou para entregar a cópia do jornal que havia sido recém entregue ao hotel, a primeira frase que me disse foi: "Porque você disse isso? E por que você não estava sorrindo nessa foto?". Eu não sabia qual seria a frase de chamada da matéria e sentei chocada quando li... "Dança do Ventre é sensual e não sexual." Fiquei buscando na minha mente como foi mesmo que eu havia chegado naquela frase e por quê eu havia dito aquilo na entrevista mas custei a lembrar porque ao mesmo tempo, dúvidas como "vou ser mandada embora" berravam dentro de mim. Olhei pra foto. Eu não estava sorrindo mesmo, foi uma fase, enfim! Mas a foto não era de todo ruim... Apesar da matéria estar bem escrita - achei extremamente audacioso da parte da jornalista ressaltar um ponto quase nada discutido tão abertamente - não consegui vibrar e achar super legal aquele acontecimento. Dentro do restaurante onde eu trabalhava, alguns disseram que eu havia perdido uma oportunidade de trazer mais visibilidade para meu show, falando de coisas sem importância - além de estar feia na foto. Eu acreditei em tudo aquilo, guardei o jornal numa pasta e segui a vida. Alguns anos depois, ajeitando minhas coisas, encontrei o jornal e reli a entrevista. Ali então, finalmente, achei legal e especial por três motivos: - Eu não estava de acordo com os padrões estéticos exigidos; "você deve dançar bem para te contratarem já que você está gorda e não é tão bonita!" diziam. Mas eu sobrevivi porque sim, eu sempre dancei bem - não a melhor - mas indiscutivelmente bem e esta afirmação era mais importante para mim do que qualquer outro elogio e/ou alcance de padrão; - Apesar de saber o tanto que eu errava e faltava aprender naquela época, olhei para aquela minha versão de 23 anos e me orgulhei dela e de tudo o que ela disse naquela entrevista (esses momentos de orgulho ainda são raros, tenho muito o que me perdoar!); - Mays El Reem era o nome do restaurante e foi meu segundo contrato em Dubai. Quando consegui meu primeiro contrato em Dubai, algumas pessoas ficaram chocadas (afinal, eu não era bonita e estava gorda, lembram?) e eu ainda consegui um segundo! Me lembro da escada para chegar na lateral do palco e me lembro do cantinho onde esperava para dançar (não tenho nenhuma foto lá e isso me dói o coração...). Era para ter sido um contrato de 30 dias mas foram três meses, apesar de tudo... O que significou muito! Se você que está lendo isso, sentir alguma bronca ou achar um absurdo a questão da beleza e o que me disseram na época, não... Releve! Eles não conheciam diferente e eu também ainda tinha muito o que aprender. Adoraria poder dizer a todas aquelas pessoas hoje, o quanto eu ainda sou grata.

ENG: June 2006. Exactly 15 years ago I was dancing at JW Marriott Dubai and The Emirates Evening Post asked to interview the belly dancer. Veena Kuruvilla was the journalist - intelligent, kind and all ears to my life story - responsible for the post. I remember when the restaurant manager called me to inform about the interview and I was so happy! The interview happened in an afternoon, and I was nervous. Veena asked many questions about my life, my family and my career and I answered it all. At the end, she said that she was very satisfied with the material and that soon, the interview would be published. When the manager gave me the newspaper, his first words were: "Why did you said that? And why weren't you smiling in this photo?". I didn't know what the headline would be and I was shocked when I saw... "Belly Dance is sensual not sexual". I tried to remember when and why I said that but it was hard since doubts like "am I going to be fired?" were screaming louder in my head. Page 8. Looked at the photo. I was not smiling indeed but the photo was not so bad... Even though the interview was really good (it was very audacious of Veena to focus on a small moment of our conversation when I confessed how sad it was not to be fully seen as an artist since Belly dance was more more sexual those days, a point of view not so openly shared.) I didn't feel like celebrating. Some colleagues told me that I'd lost an opportunity to bring more visibility to my shows by talking about not so important things. So I took my copy of the newspaper, safely placed in my home and life went on. Years later, found the newspaper and read it again. In that moment, I felt so cool about it for three special reasons: - I was not matching the beauty standards required at the time; "You must be a very good dancer for the hotels to hire you since you're fat and not so beautiful!" I used to hear. But I survived because yes, I was always a good dancer - not extraordinary - but without a doubt a good dancer and that was for me more important than any other compliment; - Even though I know today how much I've failed and how much I still had to learn in that time, I felt proud of my 23 yo self in that interview and proud of everything that I said (these moments are still rare since I still have much to forgive myself for); - Mays El Reem was the name of the restaurant and it was my second contract in Dubai. When I got the first one, some people were shocked (because I was fat and no so beautiful, remember?) and then I got a second one! WOW! I can close my eyes and still see the stairs to get to the stage and the small corner where I should wait for the show (don't have a photo there which breaks my heart...) It was supposed to be a 30 days contract but It was extended for 3 months and that meant a lot to me. If you're reading this, don't be angry at the people that called me ugly and fat... They didn't know better and neither did I. I wish I could tell them how thankful I still am today.

184 visualizações

Posts recentes

Ver tudo